Linha 15 Metrô

Linha 15 Prata será estendida até Jacú-Pêssego pelo Metrô

Frota M Linha 15 Prata
Monotrilho Frota M (GESP)

Com a divulgação do vídeo institucional do programa de desestatização da infraestrutura do Estado de São Paulo pelo do Governador João Doria em Londres, uma das informações do vídeo constava a extensão a Linha 15 Prata, com 2.8 km e 5 estações.

Não fazia sentido. Questionamos a assessoria de imprensa do governador que prontamente disse que seriam 2 estações e não 5. E o vídeo seria corrigido.

Assim, podemos afirmar que a Linha 15 será estendida até Jacú-Pêssego, atendendo em toda linha 476 mil passageiros por dia.

Com isso, além da nova Estação Jardim Colonial, prevista para 2021, a Linha 15 terá a Estação Boa Esperança e a Estação Jacú-Pêssego.

A linha hoje possui apenas 7,8 km e 27 trens. Com essa extensão passará a ter 10,6 km e precisará de trens adicionais.

Como no vídeo ela foi apresentada como uma oportunidade de construção e sabendo que a Linha 15 já foi concedida para a Via Mobilidade Linha 15, provavelmente o Metrô fará um processo licitatório para a expansão.

Se usarmos como base o custo da Linha 18 de R$ 6 bi que foi dito no anuncio de seu cancelamento e que tem 15,4 km, a construção por monotrilho teria um custo por quilômetro da ordem de R$ 390 milhões /km.

Assim, a extensão da Linha 15 Prata, com 2,8 km teria um custo aproximado de R$ 1,1 bilhão.

Lembrando que é necessário o alargamento e adequação da Av. Ragueb Chohfi pois não há canteiro central suficiente para os pilares do monotrilho.

Ao contrário da extensão da Linha 5 e da Linha 4, que estão em negociação com o Grupo CCR, parece que a extensão da Linha 15 Prata será feita pelo Metrô e operada pela concessionária.

Enquanto isso o mapa dinâmico só mostra até Vila União, pelo menos até dezembro de 2019 com a inauguração prevista do trecho até São Mateus.

Notem também que já está prevista a Estação Ipiranga, antes da estação Vila Prudente. Mas até hoje nada mais foi anunciado.

Mapa dinâmico da Linha 15 Prta
Avatar

Fernando Galfo

É engenheiro por formação e entusiasta de obras de mobilidade urbana. Utiliza transporte individual na maioria das vezes mas acompanha e sabe da real e urgente necessidade de investimentos em infraestrutura e principalmente em transporte público aliadas com políticas públicas de redução da pendularidade do sistema de transportes

20 comentários

Clique aqui para deixar um comentário

  • Tenho quase certeza que a licitação original já foi para a linha inteira. Seria só o caso de mandar executar, portanto. Parecida com a situação da expansão da Linha 2 até Vila Prudente (cujo contrato foi usado para o trecho inicial da Linha 15 também, até Oratório).

      • Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Se não me falha a memória, o que aconteceu é que a licitação partia do pressuposto que a prefeitura alargaria as avenidas antes. Só isso. Se isso não for feito (e não vai ser), bem, para esse serviço sim precisaria de licitação adicional ou aditivo nas existentes.

        Claro que posso estar enganado, mas me lembro claramente da linha inteira ter sido licitada.

    • Olá, neste caso temos três possibilidades, a primeira, é que ele simplesmente não muda de via, aí a estação pode funcionar apenas com uma plataforma, ou, de forma similar ao que acontece em Guainases, pode chegar um trem e estacionar de um lado, e quando chegar o outro, estaciona do lado contrário, aí o que estava parado primeiro parte e o que chegou em segundo, espera que chegue outro e estacione do lado vazio, para então ele sair, etc… E o terceiro e mais provável, é que haja uma pequena extensão dos trilhos, que permita que o trem faça a troca de trilho um pouco a diante da estação.

  • Tomará que cuidem das licitações com carinho, para não termos que após se passarem anos, o CADE vir aplicar multas, igual está acontecendo com as 11 empresas.

  • Entendo como correto este replanejamento da estação terminal até Jacu-Pêssego, com a consequente construção de um terminal rodoviário naquela região extremamente carente de um transporte coletivo de qualidade que absorverá um número maior de passageiros, aumentado significativamente a demanda da Linha 15-Prata.

    Porém torna-se fundamental e imprescindível se corrigir o prolongamento da Linha 15-Prata até Estação Ipiranga da Linha 10-Turquesa da CPTM, antes da estação Vila Prudente para se evitar transtornos nesta estação.

  • Caso alguém esteja realmente planejando essa extensão acreditando que não precisa prolongar também, na outra ponta, até Ipiranga (sendo que isto já deveria estar pronto junto com São Mateus inclusive, ou, no máximo, com Jardim Colonial, porque Vila Prudente vai sim, lamentavelmente, virar uma estação infernal já em 2020), então o nome disso não é planejamento, mas sim psicopatia!

    Só tenho a lamentar como todos os “projetos” e esforços são, indiscutivelmente, para tornar a Linha 2-Verde do Metrô como a pior da rede metroferroviária de SP!
    Parece até vingança, porque esta era a linha chamada de “menina dos olhos” do Metrô. Na verdade, sempre foi sim e continua sendo, só que apenas dos lados da tal Vila “Madá”. Só ver como nada vai impactar de modo negativo o literalmente conforto e sossego do contrafluxo desta linha, nem mesmo a extensão futura até Cerro Corá, já que a futura Linha 20-Rosa do Metrô atrairá, conforme simulado, muito mais gente do que o contrafluxo da Linha 2-Verde, o qual só atrairá quem for, essencialmente, para a região da Av. Paulista e nada mais (diferentemente do fluxo que atrairá gente de tudo quanto é canto com destinos dos mais variados possíveis — não é à toa que vai superlotar e se saturar totalmente).

    • Pois é!
      Não só fazer a estação Ipiranga do monotrilho, mas também extender a linha 5 lilás até o Ipiranga, fazendo um grande corredor leste/sul ligando as extremidades sem passar pela linha verde.

      Quem sair de Jardim colonial pelo monotrilho e for ao Jabaquara, ao Carandiru ou a Osasco, não precisaria passar pela linha verde.

      Mas pensa que o gestor é bom de planejamento? Só é bom no marketing e, ultimamente, anda muito cafona.

  • Infame é este governo ficar fazendo promessa de expansão sem ter lançado edital algum, sem ter inaugurado as últimas quatro estações da primeira fase e mal ter começado a construção da outra.

    Mas fazer o que se o gestor já está em campanha presidencial já de agora?

    Coitado, quase perdeu para o França, agora se ilude com a Presidência da República… Esse é sonhador!!!

    • Falou tudo meu caro!!! Esse governo em 7 meses de gestão já mostrou que de novo não tem nada, de gestor absolutamente não tem nada e que se duvidar conseguirá ser pior que as antigas gestões.
      O problema é que com as sucessivas divulgações sobre os investimentos na malha ferroviária e até mesmo a troca do modal da Linha 18 – Bronze por um BRT, fora a sinalização de desinvestimentos no VLT da Baixada, só mostra que a gestão que seria eficiente e em prol do crescimento dos trilhos em SP, só foi conversa fiada e eleitoreira, não passa de marketing.

  • O metrô construir pra dar de mão beijada pra CCR lucrar é fácil. Porque não negociam com eles a construção assim como nas linhas 4 e 5.

    Aliás, porque estão negociando expansões muito mais caras e difíceis de construir com a CCR e deixando a menor? Seria uma contrapartida?

  • Boa tarde,gostaria de saber sobre a concessão da linha 15 prata se o governo ja notificou a empresa CCR para que o contrato seja assinado e a empresa possa assumir assim as linhas ..agradeço

Follow on Feedly
error: Hum, não vale copiar né??