CPTM Linha 10 Linha 7

CPTM restaurará 14 passarelas metálicas, incluindo da Estação Mooca

Passarela Metálica da Estação Mooca em 2011 (Monica Kaneko)
Passarela Metálica da Estação Mooca em 2011 (Monica Kaneko)

No início de fevereiro a CPTM assinou contrato com empresa Helena Ayoub Silva & Arquitetos Associados para “elaboração do termo de referência de contratação de projetos básico e executivo de restauro de 14 passarelas metálicas da antiga São Paulo Railway Company, incluindo diretrizes para o manual de conservação e manutenção” – uma delas a da Estação Mooca que há pelo menos 10 anos espera melhorias.

O prazo de vigência do contrato é de 5 meses a contar da emissão da ordem de serviço, após a aprovação pela CPTM do plano de trabalho. O valor do contrato é de R$ 96 mil reais.

Das 14 passarelas metálicas do escopo do contrato, 10 fazem parte do conjunto tombado da respectiva estação ferroviária a qual ela está instalada.

Escopo do contrato:

  • Estudos técnicos qualificados sob a forma de relatórios descritivos, analíticos e ilustrados, que contemplem aspectos históricos, análises estático-construtivo e estético-crítico, especificação de prospecções, registro fotográfico e levantamento métrico cadastral, visando subsidiar a elaboração dos termos de referência para a contratação de projetos básico e executivo de restauro das 14 (quatorze) passarelas metálicas.
  • Memorial Descritivo com os subsídios indispensáveis para a ela dos termos de referência para a contratação de projetos básico e executivo de restauro das 14 (quatorze) passarelas metálicas de valor histórico-cultural, contemplando diretrizes, critérios, justificativas e relação do escopo de serviços e de material a ser produzido e apresentado na etapa do desenvolvimento dos projetos básico e executivo, considerando serviços preliminares, estudos ambientais, levantamento topográfico planialtimétrico, pesquisas, prospecções, projetos complementares, cronograma, planilhas de quantidades, etc. Este Memorial Descritivo deverá ainda incluir e destacar, em capítulo específico, as diretrizes para a elaboração de subsídios do manual de conservação e manutenção das passarelas metálicas e orientações para sua complementação e consolidação em etapas subsequentes.

Estação Mooca

Existem duas passarelas idênticas na Estação Mooca de acordo com o site “São Paulo Antiga”: uma na Rua da Mooca, escopo desse contrato e outra na rua Visconde de Parnaíba:

Importada da Inglaterra no final do século 19 juntamente com outra idêntica nas proximidades da rua da Mooca, esta passarela foi instalada em uma época que sequer a rua Visconde de Parnaíba era dividida em duas. Naquele tempo, havia uma porteira e existia o tráfego de veículos e bondes entre os dois lados do leito ferroviário. A passarela tinha o objetivo de dar total segurança a quem precisava transitar por ali sem ser surpreendido por um trem. Com o tempo, os trilhos foram isolados e a única maneira de se cruzar de um lado da rua para o outro passou a ser a passarela.”

As queixas dos moradores da Mooca sobre as condições da passarela remontam para 2009, 10 anos atrás, como mostra a reportagem da “Gazeta da Mooca” sobre a passarela da Rua Mooca.

Em maio de 2016 a passarela da rua Visconde de Parnaíba foi pauta do jornal “Bom Dia São Pauo” da Rede Globo.

Já em agosto de 2018 também foi pauta do “Folha da Vila Prudente” que fez uma reportagem sobre o o “abandono físico e histórico” da passarela metálica.

Ambas passarelas foram desativadas, sendo que a da Rua Mooca foi desativada em março de 2016.

Por serem idênticas acredito que somente uma foi incluída no contrato de elaboração do termo de referência. Quando a restauração de fato for contratada, acredito que ambas farão parte do escopo.

Passarelas Metálicas

Confira a lista completa das passarelas objeto do contrato para elaboração termo de referência:

  • Passarela da Estação Botujuru
  • Passarela da Estação Baltazar Fidélis
  • Passarela da Estação Vila Clarice
  • Passarela Ponte Seca
  • Passarela da Estação Várzea Paulista*
  • Passarela da Estação Franco da Rocha*
  • Passarela da Estação Caieiras*
  • Passarela da Estação Perus*
  • Passarela da Estação Jaraguá*
  • Passarela do Pátio da Lapa*
  • Passarela da rua do Bucolismo*
  • Passarela da Estação Ribeirão Pires*
  • Passarela da Estação Rio Grande da Serra*
  • Passarela da rua da Móoca**

* Tombadas pelo Condephaat

**Tombadas pelo Conpresp

Curtam nossa página no Facebook, sigam-nos no Twitter e Instagram

Avatar

Fernando Galfo

É engenheiro por formação e entusiasta de obras de mobilidade urbana. Utiliza transporte individual na maioria das vezes mas acompanha e sabe da real e urgente necessidade de investimentos em infraestrutura e principalmente em transporte público aliadas com políticas públicas de redução da pendularidade do sistema de transportes

6 comentários

Clique aqui para deixar um comentário

  • Precisamos de reforma Urgente na estação Imperatriz Leopoldina, falta escada rolantes , rampas elevadores , onde circulam muitos deficientes físicos e visuais , idosos , só escadas com mais de 70 degraus, todos os dias para os trabalhadores da região, inclusive estes deficientes, passageiros… É uma vergonha não tem um banheiro na estação!!!
    Em dias quentes , não tem como usar o corrimão por ser alumínio, ferve , se colocar a mão queima, como um deficiente vai se apoiar , pra descer os 70 degraus????

  • A passarela metálica da estação Rio Grande da Serra não foi apenas tombada pelo CONDEPHAAT.

    Durante as obras de acessibilidade da estação, a passarela foi retirada do local, cortada e encontra-se jogada num matagal na faixa de domínio da CPTM, a uns 200 metros da estação.

    Gostaria de saber como promoverá a CPTM a restauração de tal item histórico!

  • Boa Tarde

    Faltam Modernizar as Estações da Linha 7 Rubi, Instalando Escadas Rolantes.

    Estação Baltazar Fidelis
    Estação Franco da Rocha
    Estação Caieiras
    Estação Perus
    Estação Jaraguá
    Estação Vila Clarice
    Estação Pirituba
    Estação Lapa
    Estação Agua Branca

    Obrigado.

    • Todas estações da CPTM contarão com acessibilidade até final de 2021 ou início de 2022. É uma obrigação da CPTM por causa de TAC – Termo de Ajustamento de Conduta – do Ministério Público.

      • A passarela de Rio Grande da Serra está desmontada a mais de um ano em contato com a terra , para enferrujar literalmente , a placa de proibido passar ainda escrita com ph foi retirada e não temos informações de onde se encontra , as obras de acessibilidade muito mal definidas pois a passagem de pedestres não foi separada dos carros a passagem pela passarela não prevê a possibilidade de ser utilizada com a cancela fechada (a surdo) o projeto do banheiro para deficientes retirou os mijadores e reduziu ainda mais o número de banheiros tanto masculino quanto feminino ,os telhados de madeira centenaria apodrecendo ou seja um descaso à história e com a população!

Follow on Feedly
error: Hum, não vale copiar né??